quinta-feira, 8 de julho de 2010


Quando escolho um amigo,
me completo, me sinto feliz,
por mim mesma e por ele também.
Não perco tempo imaginando: - até quando?
Simplesmente porque meus amigos não são “acasos”,
são “escolhas” feitas pelo meu coração.
Um amigo é confessionário vivo.
e sempre presente, esteja longe,
esteja perto, esteja onde e como estiver.
E o amor que ofereço a um amigo
é algo sem fronteiras.
É sorrir escancarado, é chorar desvairado,
é falar destrambelhado, é calar emocionado.
É fazer com que ele saiba que mesmo quietinha,
EU estou na primeira fila do teatro das suas realizações,
e que mesmo quando não faço barulho algum, sou EU a primeira
a aplaudi-lo. ...

Nenhum comentário: